SELECTED NEWS


Os Melhores do Jazz na Down Beat em 2004

PELA QUINTA vez, nossa diva Ithamara Koorax brilha na eleição anual dos Melhores do Jazz publicada pela Down Beat. Na edição especial que chega às bancas amanhã, Ithamara é apontada uma das melhores cantoras de jazz de 2004, ao lado de Diana Krall, Norah Jones, Cassandra Wilson, Dianne Reeves e de outra brasileira: Luciana Souza... ENTRE OS instrumentistas, brilham o trompetista Claudio Roditi, o trombonista Raul de Souza, e três geniais percussionistas: Airto Moreira, Thiago de Mello e Dom Um Romão... O SELO JSR, do produtor brasileiro Arnaldo DeSouteiro, ficou entre as 10 melhores gravadoras de jazz pelo quarto ano consecutivo. Brasil!...

Jornal do Brasil, Coluna "Hildegard Angel" - 19/NOV/2004

Jazz Ladies

Warner Music has just released in Europe a deluxe 4-CD set, in Longbox format, titled "Jazz Ladies".

The beautiful box includes a 32-page booklet with several photos and detailed bios of all singers.
The 53-track selection starts with Billie Holiday and Alberta Hunter, goes ahead with Ella Fitzgerald and Billie Holiday, and ends with Flora Purim and Ithamara Koorax (!!!), of course the only 2 Brazilian singers included in this collection. Among the original track producers are Norman Granz, Orrin Keepnews and Arnaldo DeSouteiro.

An excerpt from the liner notes, written by Philippe Blanchet, and translated to English by Sandy Scott, follows:

"The breakdown of boundaries between different musical genres at the turn of the last century, modified the rules of jazz. Open to influences of all kinds, jazz has welcomed music from the world over, enriching itself with new color, seeking out new ideas. Once again the female vocalists are leading protagonists of this metamorphosis. Some, like the Canadian Barbara Lewis, are exploring paths to a "new world fusion". Others, following in Flora Purim's footsteps, like the young Brazilian Ithamara Koorax, blend samba-infused jazz with the electronic clicks of frenetic drum & bass. The tempo is changing. The instruments change too, sometimes. But the voice, the voice of the diva which instills jazz with a vital charge of "soul", seems more indispensable than ever...

Born in Rio to Polish parents, Ithamara Koorax, began her career at an early age, working as a backing vocalist for various Brazilian pop stars and recording many songs for television series. Strongly influenced by Flora Purim, this virtuoso singer, widely considered to be one of the most accomplished of her generation, turned her attention to jazz, which she felt free to color with samba, acid jazz or even drum & bass, and achieved stardom in USA, Europe and Japan."

More compilations released in 2004

Several other compilations, including tracks by Ithamara Koorax, have been released in 2004: "Jazz Voice - Legendary Jazz Singers" (also featuring tracks by Sarah Vaughan, Tony Bennett, Chet Baker), "Lady Sings The World", "20 Super Sucessos/Bossa Nova" (including Koorax's version of "Preciso Aprender A Ser Só") and the three volumes of the mid-price series "O Melhor da MPB".

(veja mais detalhes na seção Discography)


"Glauber, O Filme - Labirinto do Brasil"

Depois de concentrar-se, em fevereiro, no trabalho de pós-produção de seu próximo disco, Ithamara Koorax dedicou o mês de março para promover "Glauber, O Filme - Labirinto do Brasil", documentário sobre a vida de Glauber Rocha dirigido por Silvio Tendler. Intérprete da trilha sonora, que reune obras de Villa-Lobos adaptadas pelo maestro Eduardo Camenietzki, Ithamara foi agora convidada para ir ao Festival de Cinema de Cannes, onde o filme - que recebeu o título em inglês de "Labyrinth Glauber" - será apresentado na mostra oficial não-competitiva, ao lado de "Kill Bill 2" de Quentin Tarantino (Presidente do Juri este ano) e "La Mala Educacion" de Pedro Almodovar. "Me sinto muito feliz e orgulhosa por ter dado minha humilde contribuição para este filme genial", comenta Koorax, que já cantou nas trilhas sonoras de três outros filmes de Tendler: "Carlos Marighela", "JK - O Menino Que Sonhou Um País" e um documentário sobre o Froein Farain.

Também no final de maio, Ithamara Koorax irá realizar um concerto em duo com o pianista Jovino Santos Neto (radicado nos EUA), em Porto Alegre. Em junho, mais shows com Victor Biglione. Julho e agosto, Europa. Setembro, Japão e Coréia.

Besides working in the post-production of her next album, Ithamara Koorax has been involved in the promotion of the acclaimed movie "Glauber, Labirinto do Brasil", directed by Silvio Tendler. Koorax recorded its soundtrack, which features Villa-Lobos pieces adapted by the talented arranger Eduardo Camenietzki. Koorax was recently invited to attend the Cannes Film Festival, where "Labyrinth Glauber" (its English title) will be presented in the Official Selection/Films Out of Competition, along with Quentin Tarantino's "Kill Bill 2" and Pedro Almodóvar's "La Mala Edicación". "I feel very happy and very proud for having contributed to this fantastic film", says Koorax, who has already recorded three other soundtracks for Silvio Tendler's movies.

GLAUBER THE MOVIE: LABYRINTH OF BRAZIL
The life and times of filmmaker Glauber Rocha.

Directed by SILVIO TENDLER
Starring Glauber Rocha, Lino Micchiche, Adriano Apra
Screenplay (in Portuguese) by Silvio Tendler & Orlando Senna
Production Design by Helio Jesuino
Photography (BW/C) by Walter Carvalho, Fernando Duarte, Americo Vermelho, Erick Rocha, et al.
Edited by Renato Schvartz
Music by Eduardo Camenietzki & Ithamara Koorax

Festivals (Prizes):
Rio 03, Brasilia 03 (Audience Award)

World Premiere/Country/Distributor/Censors/FirstWkend/Screens:
Mar 5 2004 Brazil Riofilme Running Time: 1:42
Genres: Documentary

Also by the end of May, Ithamara Koorax will perform some duo concerts with Texas-based pianist Jovino Santos Neto (former Hermeto Pascoal's musical director for 15 years) in Porto Alegre. These gigs will be followed by concerts with Victor Biglione in June, and an European tour in July and August. In September, Japan and South Korea.

 


24 de abril de 2004
Globo Online - CULTURA

Ithamara Koorax canta no Brunch Cultural do Museu do Açude

Notas musicais bem temperadas e afinação perfeita nos pratos. Com acontece em todo último domingo do mês, esta semana o Museu do Açude promove mais um Brunch Cultural - evento que une com bom gosto música e gastronomia. Desta vez, a cantora Ithamara Koorax apresenta as canções do CD "Love dance", enquanto o bufê fica a cargo de Natacha Fink e Mário de Andrade, da Casa dos Sabores.

Ao lado de Paula Faour (teclados), Jorge Pescara (baixo) e Cesar Machado (bateria), Ithamara canta as músicas de "Love Dance", eleito um dos cinco melhores álbuns de 2003 pela revista de jazz "Down Beat" - atrás de Norah Jones, Steely Dan, Radiohead e The Roots. No repertório, destaque para "Ligia" (Tom Jobim), "My favorite things" (Rodgers/Hart), "Se queres saber" (Peter Pan) e "I get a kick out of you" (Cole Porter).

Para esta edição, a Casa dos Sabores preparou um menu de aves, carnes, legumes e peixes grelhados. Destaque para as entradas frias como a salada de frutas ao vinagrete (abacaxi, manga e morangos marinados em vinagrete de balsâmico e hortelã) e para sobremesas como o rocambole de frutas vermelhas.

Os pais que quiserem levar seus filhos podem ir despreocupados. A equipe de recreadores Tempo de Brincar diverte as crianças de até dez anos com oficinas de arte, brincadeiras e jogos.

BRUNCH CULTURAL O almoço de domingo do Museu do Açude contará com show de Ithamara Koorax, que apresenta as músicas do CD "Love dance". No bufê, aves, carnes, legumes e peixes grelhados. Recreação para crianças de até 10 anos. Museu do Açude: Estrada do Açude 764, Alto da Boa Vista - 2492-5443. Dom, das 11h30m às 16h30m. O show começa às 14h30m. R$ 38 (bebidas e serviço não estão incluídos). Crianças de até 7 anos não pagam e de até 12 anos pagam meia-entrada.


O Dia - Coluna Estúdio de 24 de fevereiro de 2004 - Mauro Ferreira

ITHAMARA KOORAX, A VOZ DE GLAUBER ROCHA

Voz de Glauber Além da Suíte de Glauber,Ithamara Koorax gravou dois temas de Villa-Lobos (O Canto do Pagé e Ária das Bachianas nº 5) para a trilha do documentário Glauber, o Filme – Labirinto do Brasil.


CD / DVD "FOME ZERO"

A coluna Estúdio de 27 de janeiro de 2004 já está no ar (no DIA ONLINE) e nas bancas (terça-feira no Caderno D, suplemento cultural do jornal carioca O DIA) com as últimas notícias do mundo do disco.

EXCLUSIVAS PARA
O DIA ONLINE

Hino para zerar a fome reúne cantores no Rio

Foi agendada para esta terça-feira, 27, na casa carioca Garden Hall (RJ), a gravação de um CD e DVD com o hino composto por Roberto Menescal (com letra do poeta Abel Silva) para o programa Fome Zero, do Governo Federal. Além do Ministro da Cultura, Gilberto Gil, estavam confirmados na gravação artistas como Beth Carvalho, Os Cariocas, Carlos Lyra, Danilo Caymmi, Emílio Santiago, Frejat, Jerry Adriani, Jorge Vercilo, Ithamara Koorax, Leila Pinheiro, Marcos Valle, Oswaldo Montenegro, Quarteto em Cy e Wanda Sá, entre outros nomes.

(veja mais fotos na seção Photo Gallery)


15 de janeiro de 2004 Versão on line
Globo Online - Plantão


Ithamara Koorax faz mais dois shows no Rio

RIO - Devido ao sucesso de seus shows no último fim de semana, a cantora Ithamara Koorax volta ao palco do Partitura (Av. Epitácio Pessoa 5.030 - Lagoa) para mais duas apresentações, nos dias 16 e 17, às 21h30. Desta vez, ela recebe o reforço do pianista Mario Castro Neves, que veio de Nova York, onde mora, especialmente para o show.

No espetáculo, a cantora apresenta canções do CD "Love dance: The ballad album", que inclui "Someday", composta por Castro Neves especialmente para o disco. O repertório do álbum inclui também canções como "April in Paris" e "As time goes by". O roteiro do show traz desde Jorge Ben Jor ("Mas que nada") até Cole Porter ("I've Got You Under My Skin"), passando por Marcos Valle ("Samba de Verão") e Tom Jobim ("Corcovado").


3 de janeiro de 2004 - Versão on line
Globo On Line - Cultura

Jazz com timbre brasileiro

Leonardo Lichote

Uma badalada cantora de jazz, apontada pela revista Down Beat - uma bíblia do jazz - como uma das melhores do mundo, está no Mistura Fina este fim de semana. Shirley Horn? Norah Jones? Jane Monheit? Não, essas ficaram atrás dela na eleição da revista. A atração da casa da Lagoa é a brasileiríssima Ithamara Koorax, que lança o CD "Love dance: The ballad album".

No show, ela adiciona outros clássicos ao repertório do disco, que traz canções como "April in Paris" e "As time goes by". O roteiro traz desde Jorge Ben Jor ("Mas que nada") até Cole Porter ("I've Got You Under My Skin"), passando por Marcos Valle ("Samba de Verão") e Tom Jobim ("Corcovado"). O pai da bossa nova, aliás, quando gravou com Ithamara disse que "ela é uma das melhores cantoras da cena e ponto".

ITHAMARA KOORAX Jazz. A cantora apresenta o CD "Love dance: The ballad album".

Mistura Fina: Av. Borges de Medeiros 3.207, Lagoa - 2537-2844. Sáb, às 20h e às 23h. R$ 35.


Rio, 03 de janeiro de 2004 Versão impressa
O GLOBO - SEGUNDO CADERNO

Ithamara para brasileiro ver

Respeitada nos EUA e no Japão, cantora lança CD no Mistura Fina

Cantora admirada pelo meio jazzófilo americano e querida do mercado japonês, Ithamara Koorax abre a temporada 2004 do Mistura Fina, em duas apresentações hoje, às 20h e 23h, apresentando o disco “Love dance: The ballad album”, que chegou por aqui no ano passado, pela Som Livre, mas que foi produzido e lançado em 2002 nos EUA pelo conceituado selo de jazz Milestone.

No repertório do álbum, eleito um dos cinco melhores de 2003 pelas revistas “Down Beat” e “Independent Weekly”, clássicos como “Lígia”, de Tom Jobim; “April in Paris”, de Vernon Duke e Yip Harburg; “Olha, Maria”, de Chico Buarque, Tom Jobim e Vinicius de Moraes; “O amor é chama”, de Marcos e Paulo Sérgio Valle; entre outras.

Alçada pela crítica internacional ao mesmo patamar de estrelas como Cassandra Wilson e Dianne Reeves, por aqui Ithamara ainda divide opiniões. Há quem acha que ela desperdiça sua técnica em interpretações equivocadas. Os shows de hoje podem ser outra oportunidade para tirar a prova.


Encontro Genial
Gustavo Victorino - Revista Backstage - Janeiro de 2004

O melhor guitarrista e a melhor cantora do Brasil estão silenciosamente preparando um trabalho juntos. A admiração recíproca é antiga, mas a agenda atrapalhava.

O encontro de Victor Biglione e Ithamara Koorax tem tudo para virar um CD antológico, mas acho que esse privilégio vai ficar apenas para os gringos e japoneses. As gravadoras daqui preferem continuar nos empurrando o KLB.


Os Melhores do Jazz na Down Beat em 2003

A NOSSA DIVA Ithamara Koorax é, pela terceira vez, a única cantora brasileira a brilhar na eleição dos Melhores do Jazz publicada anualmente pela Down Beat. Na edição especial da mais importante revista de jazz do mundo, que chega às bancas amanhã, o novo CD de Ithamara, Love Dance, recém-lançado no Brasil pela Som Livre, foi eleito o quinto melhor disco do ano em todo o mundo, atrás apenas das poderosas Norah Jones, Steely Dan, Radioheads e The Roots na categoria Beyond Album...

JOÃO GILBERTO, o eterno gênio da bossa-nova, ajudado pela ótima repercussão de seus shows nos festivais europeus de jazz neste ano, ficou em sétimo lugar como cantor, à frente de Ray Charles e John Pizzarelli. Caetano Veloso, ficou em décimo segundo lugar na categoria de Beyond Artist. Entre os instrumentistas, nossos mestres Claudio Roditi, sexto lugar entre os trompetistas, e Airto Moreira, segundo lugar como percussionista. O selo JSR, do produtor brasileiro Arnaldo DeSouteiro, ficou entre as 10 melhores gravadoras de jazz pelo terceiro ano consecutivo, desta vez em sétimo lugar. Uau!...
[16/NOV/2003]


Rede Globo de Televisão - Jornal da Globo

www.redeglobo.com

Especialmente brasileira

A voz é de veludo. A interpretação, parece vir da alma. Ithamara koorax, trinta e sete anos, nasceu em niterói e mora no rio. Mas a musicalidade rompeu fronteiras e conquistou países como o Japão e Estados Unidos. O jornalista Chico Pinheiro conversou com ela, especialmente para o Jornal da Globo.

¤1 roda vt {{abre som vt
Uma cantora brasileira pouco reconhecida no país, mas que é recordista de venda no Japão, nos Estados Unidos. Aliás, ela está colocada na revista "Down Beat" como uma das quatro maiores cantoras de jazz do mundo - Ithamara Koorax.

“Agora na China, estamos numa parada de rádio lá e a gente tá muito feliz com a receptividade”, comemora Ithamara.

Como você entrou nesse mundo fechado do jazz?

“Eu acho que primeiro eu comecei ouvindo, né? Desde pequena, adolescente, ouvindo bastante coisa e as coisas foram tomando esse rumo”, explica.

Além de jazz, você também canta bossa nova, canta música brasileira?

“Adoro! Imagina... Não tem essa de que é só música americana, não. Acho que eu só internacionalizei as minhas raízes”, esclarece.


Ithamara Koorax comemora

CD Love dance é eleito pela Down Beat como um
dos melhores trabalhos do ano


por Beto Feitosa

Ithamara Koorax tem motivos para comemorar, e a música brasileira agradece mais uma menção honrosa. Depois de ter sido eleita a 4a melhor cantora de jazz de 2002 pela prestigiada revista Down Beat, Ithamara teve seu último CD, Love dance escolhido na votação anual da revista como um dos 5 melhores discos de 2003.

O CD com músicas de Tom Jobim, Ivan Lins, Chico Buarque, Vinicius de Moraes, Marcos e Paulo Sérgio Valle concorreu na categoria Beyond Album e ficou atrás apenas dos CDs de Norah Jones, Radiohead, Steely Dan e The Roots.

A cantora não esconde o orgulho. "Fiquei bastante surpresa. Nessa categoria de Beyond Jazz concorrem somente discos que, segundo a revista, transcendem o mercado de jazz. Eles preferiram classificar o Love Dance como Beyond Jazz, ao invés de Traditional Jazz, porque, apesar de eu achar que se trata de um trabalho complexo e até um pouco hermético, eles levaram em conta o excelente índice de vendas e o altíssimo nível de execução nas rádios americanas", comemora.

O CD Love dance foi lançado no Brasil com uma pérola-bônus, a gravação de Absolute Lee, música inédita de Tom Jobim. A faixa entrou na trilha sonora da novela Celebridades. A edição de dezembro da revista Down Beat chega ao Brasil no dia 27 de novembro.

leia também:
As baladas de amor de Ithamara Koorax


Jornal do Brasil

Só dá ela

A edição desta semana da chiquérrima Revista The Independent Weekly, que acaba de chegar às bancas, deixou a cantora Ithamara Koorax exultante.

Seu CD Love Dance foi eleito um dos dez melhores discos de 2003, ao lado dos trabalhos de nomes como Cassandra Wilson, Norah Jones e Dianne Reeves.

É o segundo prêmio recebido por Ithamara em menos de dez dias. Na semana passada, o CD já havia sido apontado como um dos cinco melhores do ano na votação dos leitores da Down Beat, a bíblia do jazz.

[05/DEZ/2003]


Jornal do Brasil

CD / DVD "Amor Cuidado"

 

SÓ ESTRELAS

No Dia Mundial de Prevenção da Aids, 1o de dezembro, será lançado no Brasil o CD “DST/AIDS” (nome provisório), com "Amor Cuidado", música de Wagner Tiso, letra da poetisa Elisa Lucinda, arranjo vocal de Mário Ferraro e coordenação geral de Caíque Botkay. Ontem, no Estudio da Radio MEC, a gravaçao foi realizada ao estilo *We Are The World* com as participações de nomes como Chico Buarque, Ithamara Koorax, Lenine, Zélia Duncan, Dona Ivone Lara, Alcione, Martinália, Paulinho da Viola e Fernanda Abreu. Tudo filmado para um videoclip com previsão de exibiçao no Fantástico (TV Globo) dia 30 de novembro, antecedendo o lançamento do CD. Diversos músicos consagrados, comandados por Wagner Tiso, se encarregaram da base instrumental.

Jornal "O Estado de São Paulo"


A alma brasileira

No fim de semana, fui ao show musical da cantora Ithamara Koorax, por sinal, um portento de intérprete. O canto de Ithamara é precedido de um texto, lido em off, dedicando o espetáculo "a todos os artistas que nunca aceitaram barreiras ou limites à sua arte". O show encerra uma bela exaltação aos artistas brasileiros que, por falta de estímulo doméstico, acabam tendo que se exilar, levando seu talento ao resto do mundo, que os acolhe com entusiasmo.

Quando terminou o maravilhoso desempenho da cantora - realmente, um fenômeno vocal - eu pensava na diferença de sorte entre o artista e o jogador de futebol. Quem é bom de bola e vai pro exterior é permanentemente louvado como legítimo representante da cultura popular brasileira.

Já o artista, pobre dele, é absolutamente esquecido; quando não é hostilizado, discriminado, tido como trânsfuga, apátrida.

Deslumbrado com o talento de Ithamara Koorax, eu a via no palco com o santo orgulho de sabê-la celebrada pela revista americana Down Beat como uma das quatro melhores cantoras de jazz do mundo, ao lado de Diana Krall, Cassandra Wilson e Dianne Reeves. De jazz, diz a conceituada publicação; de MPB há de dizer quem, como eu, ouviu Ithamara cantando Tom, os irmãos Valle, Jorge Benjor e tantos outros compositores da MPB. Emociona ouvir cantar Ithamara.

Se é verdade que cada música tem sua alma, essa admirável cantora tem o dom de criar uma voz que parece ter nascido com a alma da própria canção.

Nunca é demais repetir que os artistas que se apresentam no exterior não mostram apenas a beleza de sua arte pessoal. A imprensa especializada talvez ainda não tenha parado pra pensar que eles expressam, lá fora, em cenários distantes, a própria alma do povo brasileiro. São tão heróicos quanto os idolatrados craques do nosso futebol. Quando Ithamara canta é mais um gol do Brasil.

[21/MAI/2003]


Jornal "A Tarde" - Bahia

[11/10/2003]



Concha Acústica vive noite de bossa e jazz
Palmyra & Levita, Ithamara Koorax e Emílio encantaram o público

Ceci Alves

Um fala-povo rápido, logo na entrada, já demonstrava: a noite de ontem, na Concha Acústica do Teatro Castro Alves, a priori, era de Emílio Santiago. Poucas pessoas estavam ali para ver o show por inteiro, no qual estavam reunidos a dupla Palmyra e Levita e a cantora Ithamara Koorax, grandes revelações do novo jazz bossa-novístico brasileiro, que ganha mundo.

“Eu vim por Emílio Santiago e por curiosidade de ver os outros”, declarou Dilmeire Campos, 31 anos, que, a postos na entrada da Concha, dava a ficha dos dois outros artistas para os amigos. “Todos falaram bem deles na mídia, disseram que a Ithamara Koorax é a quarta maior cantora de jazz do mundo...então, vamos ver”, animava-se.

Com essa expectativa, as pessoas chegavam lentamente para tomar seus lugares na Concha, sob a lua cheia. Palmyra e Levita subiram ao palco com o local ainda vazio e o povo se acomodando. Uma pena.

A apresentação que se viu foi uma das mais irretorquíveis dos cinco anos do projeto Sua Nota É um Show. Com carreira internacional, uma vocalista de voz e atitudes mansas e aveludadas - com um quê de João Gilberto em suas interpretações -, e um violonista de dedilhar firme e etéreo, a dupla hipnotizou o público.

No repertório da dupla, um arranjo bossa-novista para Margarida Perfumada, de Carlinhos Brown, logo de início. Depois, ela chamou ao palco o trompetista Joatan Nascimento, convidado para incrementar luxuosamente I’ve Got You Under My Skin e Influência do Jazz. Outro que subiu ao palco foi Aroldo Macedo, que ainda participou de uma homenagem a seu pai, Osmar Macedo, com a música inédita Jazz no Trio, de Levita e Edu Casanova.

Foram apenas sete músicas para logo dar lugar à outra diva jazzie, Ithamara Koorax. Quando a dupla deixou o palco, a Concha já estava lotada. Foi a vez da voz aclamada e poderosa de Ithamara Koorax, que fez jus ao título de quarta melhor cantora de jazz do mundo, segundo a revista Down Beat.

Ela arrebatou todos os presentes, que exclamavam da potência de sua voz, da força e sensualidade de sua mise-en-scène, e da forma como ela flertava com a platéia e interagia com os instrumentistas. Foi um show reto e limpo, que começou com Jorge Ben - Mas que Nada e Que Maravilha e terminou com uma homenagem a Caymmi, com Cala a Boca Menino.

A espera para assistir a Emílio Santiago deixaram seus fãs extremamente desrespeitosos. A falta de civilidade chegou ao cúmulo de vaias ao pianista João Donato, compositor e arranjador referencial da bossa-nova e da MPB, autor de clássicos como Minha Saudade, em parceria com João Gilberto.

A platéia, impaciente com a entrada de Santiago, pôs-se a debochar do artista, criticando sua interpretação a músicas como Simples Carinho. As pessoas aplaudiam João Donato em tom de caçoagem e o enxotavam com as mãos, de forma acintosa.

Constrangido, Donato encurtou sua parte solo/instrumental e chamou o parceiro Emílio, que tratou logo de colocar as coisas em seus devidos lugares. No primeiro bloco de seu show, Santiago levou as músicas do espetáculo Emílio Canta Donato, como E Vamos Lá, A Paz e Naquela Estação - esta cantada em uníssono pela platéia. “Donato era muito amigo de Jobim, que tinha uma foto dele em cima do piano”, aponta Santiago. “Jobim o chamava de meu mestre”. O público vê a injustiça que cometeu, tardiamente.

[11/10/2003]